quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Polaridades

Hoje eu resolvi escrever sobre um tema que tem surgido nos meus atendimentos, na minha terapia pessoal, em conversas, leituras... Sabe quando parece que tudo o que você ouve, lê, pensa diz respeito a um mesmo assunto? É isso que tem acontecido, para todo lugar que eu olho vejo polaridades.

A gente costuma se definir e definir os outros com adjetivos. Fulano é arrogante, Beltrano é simpático. Esses adjetivos geralmente se baseiam em observações que fizemos em situações passadas e criam expectativas a respeito de comportamentos futuros. Nós não conhecemos as reações dessas pessoas em todas as situações possíveis, o que temos é uma amostra e o que fazemos com frequência é generalizar algo pontual e criar um rótulo.

Quando esse rótulo é repetido constantemente (pelos outros ou por nós mesmos) é comum começar a aceitá-lo como sendo uma verdade imutável sobre si não se permitindo agir de forma a colocá-lo em questionamento. Como os outros reagiriam se eu, que sou uma pessoa tão doce, de repente tivesse uma reação mais rude ou agressiva?

Os rótulos, as certezas e as verdades imutáveis são prisões que limitam nosso crescimento pessoal, nossa autenticidade e criatividade. Você não acha muito estranho uma pessoa que é doce o tempo todo, com todo mundo, não importa o que aconteça? Ou alguém que é rude em toda e qualquer situação? Eu acho.

Eu gosto de imaginar cada uma das nossas características como um eixo que vai de zero a dez, de doce a rude, de sereno a ansioso, de simpático a antipático, de altruísta a egoísta. E transitamos sobre esse eixo de acordo com aquilo que vivenciamos. Não somos doces ou rudes, altruístas ou egoístas. Somos doces e rudes, altruístas e egoístas. 

Acho importante notar essa gradação que vai de um ponto até o seu oposto para não correr o risco de se forçar a caminhar na direção de um dos extremos desse eixo imaginário. Mudar não é uma batalha, algo que acontece a ferro e fogo. Existe algo mais simples que vem antes disso: perceber como você experimenta esse caminho entre os extremos, o que agrada e o que desagrada nessas vivências, o que você inibe e o que permite vir à tona. A mudança é consequência.


Image result for pipoca mudança de dentro para fora



Nenhum comentário:

Postar um comentário